Por que o Brasil vive uma epidemia de crack?

sao-paulo-324913_640

Por que o Brasil vive uma epidemia de crack?

Pesquisadores da Fiocruz no ano de 2015 entrevistaram em torno de 17 mil pessoas para saber a real situação do país quanto aos dependentes de drogas, os resultados foram surpreendentes, assim porque o Brasil vive uma epidemia de crack está vinculado a uma série de fatores.

Os dados sugerem que em torno de 1,4 milhão ou (0,9% da população pesquisada) de pessoas entre 12 e 65 anos fizeram o uso da substância durante pelo menos uma vez na vida. O diferencial entre homens e mulheres é de 1,4% para homens e 0,4% para mulheres.

Contudo o risco de morte por conta do crack é tão grande quanto o álcool. Pessoas que fazem o uso rotineiro da substância, podem vir a ter problemas crônicos de saúde mental, como por exemplo o desenvolvimento de transtornos. Problemas de pulmão, coração e sofrer da violência que permeia a dependência do crack.

Outra matéria publicada no R7 a respeito da epidemia de crack no país, em 2017, aponta que o Brasil é o maior consumidor de crack do planeta, com um percentual astronômico superior em comparação com o segundo colocado. Além do mais, somos o país que mais sofre por conta da violência do tráfico, algo extremamente ligado ao crack.

Os impactos do crack no organismo são um problema, contudo, quando a questão se torna social, o crack tem um papel importante, o de destruir. Quando um dependente de crack larga da família para viver nas ruas, ele deixa de ser um problema para seus familiares e passa a ser um problema social.

A cracolândia é um exemplo perfeito disso. São milhares vivendo e consumindo a substância o tempo todo. Roubando para sustentar o vício, se aliando ao tráfico para conseguir recursos, expalhando diversas doenças sexualmente transmissíveis por conta da prostituição que mantém o usuário com recursos.

As regiões de São Paulo que têm a maior venda de drogas a céu aberto do mundo, infelizmente é recordista de notícia ruim. De corpos a serem descartados por taxistas, violência diária, descarte de corpos em ruas e vielas, e outras atrocidades. Além do mais, mesmo quando a polícia faz o seu trabalho e em suas grandes operações, que chegam a ser noticiadas internacionalmente, a cracolândia continua lá, de pé a todo vapor até hoje.

Porém, com todas essas operações, como a cracolândia ainda funciona? Porque o Brasil ainda vive uma epidemia de crack? Como chegamos a esse ponto?

Epidemia do crack não se restringe apenas a SP, mas todas as cidades

O crack chegou ao país em 1994 e rapidamente, em torno de dois anos, nasceu a cracolândia, mas a epidemia do crack não se restringe a SP, mas todas as cidades na atualidade sofrem com essa droga. Por conta dessas observações, foi criado o observatório do crack no país.

Antes de falarmos um pouco sobre este observatório, precisamos entender o porquê o crack é tão poderoso. Como ele leva uma pessoa para o buraco rapidamente, então só assim entenderemos o porque o Brasil vive uma epidemia de crack.

O Almanaque das Drogas de Tarso Araújo, página 296, explica que o crack é primo da cocaína. A pasta base em mistura com água e soda cáustica é fervida. Posteriormente forma-se uma camada de água e outra com COC°. Ao esfriar a mistura a cocaína líquida se solidifica, assim é repartida em pequenas pedrinhas, o crack.

Contudo, como a droga é fumada, há uma potencialização na sensação de prazer, algo em torno de 1000X mais em comparação com a sensação da coca. Nisso o indivíduo se prende a sensação e começa a perder o prazer na vida, já que a droga é muito mais prazerosa. Ao instalar a dependência, um usuário de crack começa a viver em prol a manutenção do uso, perdendo a vida para as drogas.

Contudo, como o Brasil é país rota do tráfico de cocaína, e esta por sua vez é a base da produção do crack, espalhar diversas refinarias de drogas pelo país era uma meta do tráfico, assim a droga se torna barata e ainda dá oportunidade para que os traficantes atendam a demanda. Através disso, temos o porque o Brasil vive a epidemia do crack.

Com o observatório crack, podemos avaliar como está a situação de diversos municípios Brasileiros. Porém, em uma matéria publicada pelo G1 Ciência e Saúde, as regiões do Brasil que têm o maior consumo da droga são: Nordeste (40%), seguida pelo Sudeste (36%) e o Centro Oeste (22%).

Uma recuperação difícil, mas possível

Com a pessoa viciada na sensação de prazer intenso que a substância possui, a recuperação de um dependente de crack é difícil, mas possível. Compreender que o crack é perigoso e que ao mesmo tempo é destruidor, familiares que possuem um usuário em casa, devem interná-lo rapidamente. Quanto antes for realizado o procedimento de internação, mais chances o dependente químico tem de se afastar da substância.

O que muitos não sabem, é que, deixar para depois essa recuperação pode custar a vida de um usuário imerso em problemas que permeiam o tráfico, como dívida para traficantes. Além do mais, é comum que dependentes do crack roubem para manter o uso.

Evitar esses problemas maiores através da internação além de um ato de coragem, também é de amor. Assim, facilite o processo, entre em contato com o Grupo Braços Abertos ou Ache Aqui Clínicas para escolher a melhor instituição para o seu ente querido.

Trabalhamos com um processo especial de internação para dependentes de cocaína e crack. A remoção involuntária do paciente é um investimento na saúde física e mental do usuário. Entender que realizar esse procedimento pode ser doloroso inicialmente para a família, mas que ao mesmo tempo é recompensador para o usuário, é importante.

Agora que você já sabe o porque o Brasil vive uma epidemia de crack, cuide de quem você ama, entre em contato pelo telefone (11) 93744-7595 e fale com um de nossos agentes. Podemos localizar a clínica mais próxima a sua cidade para você acompanhar a recuperação do seu familiar institucionalizado.

AUTOR: Renan Rugolo Ré

AUTOR: Renan Rugolo Ré

Analista de Conteúdo | Desenvolvimento SEO on/off page

Artigos Relacionados

Contato

Últimas Notícias

Cidades

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Rolar para cima