A Importância dos Relacionamentos na Recuperação

A Importância dos Relacionamentos na Recuperação

Quando estamos falando sobre dependência química é muito importante ressaltar sobre A Importância dos Relacionamentos na Recuperação. Muitas vezes, o drogadito apesar de reconhecer as dificuldades que está enfrentando não consegue dar o próximo passo para que possa buscar ajuda. O apoio dos amigos e familiares é fundamental para essa relação, no entanto, é primordial que as pessoas envolvidas busquem o apoio necessário de profissionais da área para que possam realmente ter o amparo necessário sem prejudicar-se até mesmo a si próprios.

Normalmente o usuário de drogas está em crise e a repetição do seu uso é uma tentativa de evitar o desprazer que a ausência da droga produz. Podemos citar um exemplo simples, o de um fumante. Quando o organismo sente a falta da nicotina, a pessoa logo pretende fumar mais um cigarrinho para não lidar com as fortes dores de cabeça, tremores e outros sintomas recorrentes. É por isso que A Importância dos Relacionamentos na Recuperação é tão essencial, a pessoa está passando por uma dependência não somente psicológica e emocional, mas também pela ausência da química no seu organismo e seus efeitos colaterais.

 

A dependência química é uma doença

Muitos familiares e amigos receiam em apoiar o usuário de drogas porque temem ser conivente com a situação, pelo contrário, reconhecer que o dependente está doente e que precisa de amparo é apenas uma forma de contribuir para que tenha sucesso nas suas tentativas de cura. É importante que a pessoa não se sinta só e abandonada, pois esse sentimento só levaria ao aumento do consumo dessas substâncias psicoativas como um refúgio da sua dor e solidão. O reconhecimento da doença é fundamental para o tratamento, tanto por parte do usuário de drogas, como por seus próximos. Essa é uma doença classificada no CID 10 – Capítulo V, F10-F19, que corresponde a Transtornos Mentais e Comportamentais devidos ao uso de substâncias psicoativas – Nomenclatura Internacional de Doenças, estabelecida pela Organização mundial de Saúde – OMS. O drogadito é considerado um “ser desviante” dos padrões de comportamento e por isso deve ser controlado.

Por tratar-se de uma doença é essencial A Importância dos Relacionamentos na Recuperação. A aproximação dos familiares para o acolhimento, a comunicação e buscar entender o que está acontecendo com o indivíduo será de grande valor para conquistá-lo a aderir a um tratamento com profissionais qualificados. A pessoa se sentir amada mostrará a ela que vale o sacrifício e a dor que terá de enfrentar. O tratamento não deve ser forçado, uma vez que a decisão cabe ao próprio sujeito. Para o sucesso da intervenção a sua postura deve ser pró ativa ante a busca da cura. A pessoa que passa pelo sofrimento transborda de emoções e conflitos como qualquer ser humano que está em crise pode se encontrar. O drogadito antes de tudo é um ser humano e por isso, é fundamental que seja tratado com compreensão, sem julgamentos e deve ser ajudado.

 

O afeto para o ser humano

A ciência já comprovou que o homem está conectado, principalmente à sua mãe, na sua fase embrionária. Esse forte vínculo se inicia antes mesmo do seu nascimento. Durante a gravidez, a mãe alimenta o feto não somente com os seus nutrientes, mas também com as suas emoções que transbordam durante toda a gestação. Uma mãe que passa por problemas emocionais, provavelmente terá um bebê mais agitado, já a mais pacífica provavelmente terá uma criança mais tranquila. Esse elo sócio emocional irá influenciar a vida das pessoas ao longo do seu desenvolvimento e fases da vida.

O ser humano é um indivíduo social e nessa condição depende do afeto, do amor, da necessidade de ser tocado e de se relacionar com outras pessoas. Essa troca de relacionamento interpessoal é o que fortalece e contribui para a construção da nossa identidade. E numa situação de crise por abstinência ao uso de drogas se torna mais evidente A Importância dos Relacionamentos na Recuperação. Esse amparo, esse reconhecimento do afeto, essa “nutrição” é o que irá incentivar na superação do tratamento e enfrentamento da cura de uma doença que interfere no campo psicológico, emocional e fisiológico.

 

A Importância dos Relacionamentos na Recuperação

Estatísticas mostram que muitos dependentes de substâncias psicoativas são solteiros, o que demonstra a dificuldade que um casal tem em enfrentar esse tipo de tribulação. Muitos ao tentar ajudar o parceiro acabam prejudicando a si mesmos, enfrentam um desgaste emocional e muitas vezes acabam aderindo à drogas. Por isso, a busca por orientação profissional é tão precisa para que esse afeto e amparo não termine em tragédia. A pessoa ao não saber lidar com a situação não utiliza a estratégia correta para tal enfrentamento. A inversão de valores por parte do drogatido cresce conforme a dependência se instala, ou seja, acaba priorizando a droga e consequentemente afeta o seu relacionamento. É por isso que se torna tão difícil para o parceiro apoiá-lo, além de ter de encarar a instabilidade emocional da usuário.

Por outro lado, esse afeto e amparo é essencial para que o enfrentamento do tratamento seja menos doloroso. As perdas afetivas muitas vezes acabam fazendo com que a pessoa tente reparar essa dor com o consumo da droga e acaba aumentando o seu uso para reparar esse “luto”.

Estar ao lado de quem está em recuperação é demonstrar que apesar das “recaídas” (tentativas de afastamento e reaproximação das drogas) não irá julgá-lo, mas sim incentivá-lo para que enfrente com mais força e vença essa batalha.

De qualquer modo, é válido reconhecer que a convivência com um dependente químico não é fácil, além de afetá-lo, esse sofrimento também se estende aos próximos. A psicoterapia é essencial para fortalecer a família e A Importância dos Relacionamentos na Recuperação.

 

Os sentimentos da família do dependente químico

Por que é tão difícil para a família enfrentar a situação com o dependente químico e compreender A Importância dos Relacionamentos na Recuperação?

Estudos mostram que os cônjuges, mães e pais durante a convivência com o dependente de substâncias psicoativas passam por sentimentos de raiva, culpa e de desesperança. Muitas brigas por conta de cobranças comportamentais são recorrentes. Os genitores preocupam-se pelo afastamento dos filhos nas escolas, por repetência e os casais enfrentam questões como a restrição sexual. Esses conflitos diários apenas desgastam as relações e acabam por “incentivar” ainda mais o usuário ao aumento do consumo das drogas.

Algumas dicas de enfrentamento:

  • Esteja sempre disposto para conversar;

  • Não julgue;

  • Busque por apoio psicológico e de profissionais da área de atuação;

  • Acolha os seus sentimentos e tente demonstrar compreensão

 

A família é a primeira a sofrer os impactos que as drogas causam e, muitas vezes, tem a sua estrutura abalada. É essencial reconhecer a doença e A Importância dos Relacionamentos na Recuperação. O dependente químico necessita desse apoio para que, por vontade própria, aceite o enfrentamento da crise e ao tratamento. Essa união pode superar qualquer desafio.